Consciência Jornada do coração

Jornada do coração : Transparência

Eu consigo lembrar de 1 mes atrás, quando estava planejando fazer essa jornada do coração, separei palavra por palavra, a origem e energia de cada um, depois fui vivendo essas energias, vendo como elas se transformam constantemente em novas verdades e como de 1 mês pra cá várias coisas agora são novas verdades…

Comecei na consciência sagitariana a acompanhar o caminho do Eu Sou pelas energias de cada chakra, junto com Matias de Stefano e milhares de pessoas… ao ver de um ponto de percepção parece que cheguei na metade do ano egípcio, mas a partir de outro ponto eu vejo que passei por esse ponto no momento certo e segurei nessa âncora que tem levado ao oceano infinito da consciência… Aqui uma tarefa proposta pelo professor Matias, um diaolgo espontâneo entre o Eu Sou e o Eu da consciência o que me permite demonstrar a energia da transparência .

Nesse momento nos encontramos transitando pela consciência capricorniana, a qual minha essência solar é regida… e hoje eu digo, eu achava que sabia tanto e percebo agora que não sei de nada, posso entender a famosa frase ‘só sei que nada sei’.

Eu sou: Como assim?

Eu: Acabo de reconhecer um padrão que tem eu tenho me frustrado por tempos… Sempre fui muito introspectiva… quieta, na minha… não gostava de falar muito, só o necessário… mas eu via um mundo tão cheio de pessoas produtivas, comunicativas, extrovertidas, me sentia mal por não conseguir ser, não me sentia que encaixava, então passava a maior parte do tempo sozinha…

Eu sou: O que é esse padrão?

A palavra padrão tem sua origem no latim ‘patronus’ , ‘modelo a ser seguido’ , ‘ pater’ , proteger; antigamente nas tribos era associado ao pai, porque era aquele que protegia a família… ai está capricórnio associado ao pai, é a energia dos padrões de ser, das estruturas, aquilo que construímos como uma forma de proteger a nós mesmos… Coisas que nos faz sentir segurança…

Continuando…

Eu: Eu percebi esse padrão de ser introspectiva, desde que começou este ciclo, surge tantas ideias do que fazer, sinto chamados, vejo coisas lindas… mas ao mesmo tempo me sinto parada, não consigo por pra fora, percebo um processo lento de fazer as coisas. É a minha primeira vez consciente da mente de capricórnio e a cobrança segue junto comigo em todos os momentos, as vezes me sinto mal…

Eu Sou : Por que cobrança?

Eu: vejo os outros sempre produtivos, trazendo coisas novas todos os dias, inovando e me vejo parada, não consigo produzir…

Eu Sou :Como você se cobra?

Eu : sinto essa energia dentro de mim, estou fazendo algo e ela está lá me lembrando do que mais tenho que fazer… está sempre ali… mas as vezes acabo fazendo nada… Me lembra o arquétipo da lua escura, que é a menstruação, a energia do inverno ou da lua nova, me sinto no vazio e me sinto culpada por estar ali.

Eu Sou: O que é esse estar no vazio?

Eu :Bom, eu tiro dias para fazer o menos de coisas possível, para me recolher, ficar em silêncio, observar mais, escuto a orientação do coração… Essa é a sabedoria dessa fase, do vazio… Ser o Nada… Mas o meu conflito é que percebo que isso é uma padrão em mim, tem se repetido bastante….muito esforço para me comunicar e me mover mesmo com tanta energia…

Eu Sou: É um padrão a ser ressignificado e não destruido.

Eu: Como?

Eu Sou : Tudo o que fazemos e vivemos são crenças que foram criando padrões físicos, mentais e emocionais a partir de todas as experiências para podermos ”sobreviver”, ”nos proteger” em nossa jornada pela vida física. A essência só é protegida graças a energia capricorniana de padrões, que permite a comunicação e conexão com toda as matrizes dentro dessa rede.

Todos os padrões que se manifestam na sua vida é o reflexo de toda matriz ancestral, vem com ensinamentos, curas a ser feitas, formas de transcender o padrão e não destrui-lo… Nesse momento da sua vida é como se você fosse realmente a lua escura, vivendo a escuridão com a lentidão do tempo de saturno, vivendo as crises e depressões do inverno; um chamado a absorção profunda da sabedoria do silêncio. Fale o necessário.

Eu : Então eu to vivendo um padrão que me parece ruim, mas é necessário para que eu aprenda algo no meu caminho de evolução…

Eu Sou: Viva este momento. Lembre-se que seu eixo é o movimento. Sua essência nunca muda, mas esta sempre se tornando novas formas dentro da Vida. Faça o que tem que fazer. Transmita a sabedoria do silêncio. Sinta-o e se sentes a vontade de compartilhar, mostre o silêncio, chame o mundo a esse recolhimento necessário. Lembre que a introversão e a extroversão são energias que caminham juntas, uma manifestando um polo que é igual e oposto ao outro. Aqueles que são extrovertidos tem a parte deles de comunicar, manter constante, é o sol. Aqueles que são introvertidos tem a parte deles de processar, morrer, é a lua. Ambos são um só. A polaridade sagrada que se manifesta através da tríndade: o terceiro é o eixo que experimenta essa diversidade.

Eu: Acolho esse padrão.

Eu Sou: A cobrança não é ruim, tudo depende da forma como você percebe, como a usa. Se você olhar, verá que ela te trás a lembrança de movimentar e buscar o novo e isso inclui formas de perceber, o que tem acontecido bastante durante essa jornada.

Eu : Nossa…

Eu Sou: É do vazio, do vácuo, do nada, que nasce a capacidade infinita de criação. É no vazio que tudo é gestado . O Vazio é o nada e a origem de Tudo. Do seu vazio nasce sempre novas maneiras de ser. Seja o Vazio. Seja o Todo.

Eu sou a evolução em movimento. Sou o guia do silêncio.

Eu: Percebo agora a utilidade desse padrão na minha vida, quantas coisas ele tem proporcionado… Reconheço e trago para a luz, dou a ele esse novo significado. Eu uso.

Eu sou: As vezes o que você precisa é apenas levar um novo olhar ás estruturas e padrões que formam o seu ser. Não precisa romper no sentido de destruição, mas de se permitir sair desse padrão e conhecer novos pontos. Por exemplo: uma pessoa que tem o padrão de ficar sempre em casa, não precisa destruir a sua casa, só precisa lembrar que também há um mundo além dessa casa, um universo de possibilidades que está ali para serem experimentadas.

Quais são os padrões que você cultiva? Busque respeita-los e acolhe-los, depois sinta-se a vontade para transforma-los, dar novos significados. Se permita transcender.

Eu Sou: Eu sou os padrões. Eu Sou o que vai além dos padrões. Eu sou o Eixo que se move evoluindo por todas as percepções.

Façam esse exercício de dialogo voc~es com voc~es mesmos e se permitam ao autoconhecimento. Aqui vos deixo minha transmissão.

Com amor, Ka.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *