Consciência

Jornada do Coração : Processo

O propósito de estarmos aqui hoje é para ascender os templos antigos e interiores. Mas, para isso, precisamos aprender a viver mais o processo das coisas.

Estamos no alvorecer da era da expansão do coração, mas é um processo lento de expansão. Lento, porque estamos num constante despir-se de crenças que limitam, padrões repetitivos; estamos a cada dia sendo convocados a viver esses processos em totalidade, em meditação, só assim estaremos inteiros no processo e enxergaremos seu verdadeiro propósito, que é desenrolar a consciência do céu na terra.

O céu é um símbolo daquilo que é Espirito e o Espirito está sempre buscando aprender mais sobre sí mesmo nos processos que ele vive.

Ao longo do tempo, vivemos expansões, mas também vivemos as guerras. Foi um processo doloroso pra muitos, que se viam em separação, muitos ainda se veem, mas cada situação foi necessária, positiva, para que nós estivessemos aqui hoje.

O hoje, a era que estamos entrando, é e vai ser um processo difícil.

Estivemos dormindo nessa terceira dimensão, muitos ainda estão, mas já estamos todos vivendo a integração em níveis energéticos, você estando consciente disso ou não.

Essa integração, nesse primeiro momento do processo, é dos templos interiores. Esses templos interiores são nossos chakras, nosso mundo interior. Precisamos primeiramente integrar esses aspectos da consciência Una, que é tornar um só, colocar para trabalhar juntos, em cooperação um com outro, como se fosse neurônios de um grande cérebro, que é o seu corpo e o seu corpo como mais um neurônio desse grande cérebro, que é a Terra.

Nesse primeiro momento, estamos todos sendo convocados a mudar a perspectiva interior que temos sobre os processos exteriores. Convocados a fazer , primeiramente, essa mudança interna, que proporcionará um futuro totalmente novo para todos aqueles que aqui estiverem.

Tudo que aconteceu, olhe, observe, mas olhe com outros olhos. Os seus olhos que veem além da dualidade.

No antigo Egito, cada templo ao longo do rio Nilo era uma representação física do trabalho espiritual que eles faziam com cada chakra. A sabedoria primordial que eles queriam passar era sobre como ascender e trabalhar com esse interior, a polaridade negativa.

Cada chakra é necessário para vivermos em harmonia nessa terceira dimensão, precisamos conhecer cada um deles e descobrir quais são seus bloqueios, seus medos ,e como ir além deles para vivermos seu maximo potencial.

Ontem eu tive outra experiência com ayahuasca e a egregóra espiritual do Egito Antigo esteve muito presente. Thoth falou comigo algumas vezes, me mostrou os bloqueios dos meus templos interiores e o verdadeiro proposito de estarmos aqui hoje.

Há pontos dentros de nós que estão adormecidos, e não são só os chakras. Há pontos dentro do cerébro, que precisam ser despertados. Um desses é a glândula pineal.

Essa glândula representa a visão da unidade, está no ponto central, entre o lado esquerdo e direito do cérebro, está entre o positivo e o negativo, vendo o Um e os potenciais dos Dois.

Ela está diretamente apontada para cima, vendo a visão espiritual de tudo, nela contém os registros de tudo que aconteceu e acontecerá, está conectada aos arquivos akashicos, os quais só serão revelados quando nós nos entregarmos a viver a unidade e a despertar, deixando de lado as separações e tudo aquilo que faz ela estar inconsciente para nós.

Aqui um insight que recebi de Thoth, Hermes Trimegistus:

O propósito é ascender os templos antigos e interiores, os chakras; os pontos adormecidos no interior do ser.

Somos Um, vivendo no Verso, desse universo polarizado.

Energias alimentam umas ás outras, criando o sagrado equilíbrio

que são o Uno, no verso, no ponto.

O ponto é tudo o que existe, infinitamente no universo.

Infinitamente para dentro. Infinitamente para fora. Nessa experiência de autoaprendizado da não existência.

Vivendo os templos interiores sem se apegar a nenhum desses templos, porque você é o Uno no Todo.

Você trabalha junto, unido. É a cooperação vivente, e a cooperação é a essência do Uno no Verso.

Viver os processos requer paciência, atenção e amor.

Paciência, pois é um processo lento, difícil de digerir, haverá os ritmos de negativo e positivo.

Atenção, pois é nessa lentidão do tempo e dos ritmos que estão os ensinamentos. Preste atenção no seu interior e veja os reflexos de você mesmo no exterior. Se permita a receber seus ensinamentos com Amor, a parte essencial desse processo.

Só com o amor, que é o portal, estaremos mais receptivos aos ensinamentos. Precisamos aprender a amar.

E como se aprende isso? Vivendo os seus processos a partir dessa perspectiva interior que não julga, apenas compreende, aceita e se transforma a partir disso.

Viva seu processo com totalidade, integre aquilo que você acha que é separado. Não há nada externo á você. Tudo é você estendido espacialmente de infinitas formas. Dance com seu processo, dê risada dele e continue seguindo com a meditação sempre constante, para que você não deixe passar os ensinamentos que estão sendo trazidos de você para você.

Você também pode gostar...

1 comentário

  1. Paulo Henrique says:

    Gratidão e Namastê!, Sacerdotisa! ✨🌹❤️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *